Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Página 6 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por João Tomás em Qua Maio 24, 2017 3:06 pm

Gonçalo Elias escreveu:E já agora porque dizes que não se encontra em expansão?

Porque segundo este documento a população se encontra estável x) mas a informação é de 2002 x) E eu sei que não há estudos: http://datazone.birdlife.org/userfiles/file/Species/BirdsInEuropeII/BiE2004Sp8968.pdf

Bem, aliado ao que disse do concelho da Batalha, dá-me a sensação que aqui na periferia de Vila Real também estou a observar mais indivíduos nas cantorias. Na albufeira do Pinhão nunca tinha observado e este ano há pelo menos dois machos a cantar a menos de 200m um do outro.

avatar
João Tomás

Número de Mensagens : 2439
Idade : 27
Local : Batalha
Data de inscrição : 26/12/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Agostinho_MRCM em Qui Maio 25, 2017 3:51 am

Paulo Lemos escreveu:
João Tomás escreveu:Embora saiba que não se encontra em expansão, dá-me a sensação (esta primavera) de haver trigueirões onde não costumava ver. Falo apenas do concelho da Batalha! Outro pormenor que poderá ser importante para esta "expansão" serão os pequenos campos de trigo que se plantaram este ano e que não costumava ver nos outros anos. Alguém tem a mesma percepção?

Eu costumo notar flutuações nessa espécie ao longo de anos, ou até de ano para ano (ou talvez alternância de territórios?). Não consigo perceber bem...
Uma outra que tenho "notado mais" (ou mais abundante e dispersa) nos últimos 5 anos, é a Cotovia-arbórea na minha região. Mas houve uma época em que mal se (ou)viam como por exemplo há uns 15 anos, mais ou menos.

Este ano, no interior da área de vinha no alto douro, parece-me haver mais trigueirões e L. arborea que nos últimos anos. Talvez em detrimento de Galeridas.

Percepção provisória.
avatar
Agostinho_MRCM

Número de Mensagens : 75
Idade : 32
Data de inscrição : 16/05/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 4:55 am

João Tomás escreveu:Porque segundo este documento a população se encontra estável x) mas a informação é de 2002 x) E eu sei que não há estudos: http://datazone.birdlife.org/userfiles/file/Species/BirdsInEuropeII/BiE2004Sp8968.pdf

No que diz respeito a Portugal, esse documento foi produzido com base em estimativas e não em quaisquer estudos de monitorização.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por João Tomás em Qui Maio 25, 2017 4:59 am

Gonçalo Elias escreveu:No que diz respeito a Portugal, esse documento foi produzido com base em estimativas e não em quaisquer estudos de monitorização.

Eu sei Gonçalo Smile mas é o que há!
avatar
João Tomás

Número de Mensagens : 2439
Idade : 27
Local : Batalha
Data de inscrição : 26/12/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 5:04 am

João Tomás escreveu:
Gonçalo Elias escreveu:No que diz respeito a Portugal, esse documento foi produzido com base em estimativas e não em quaisquer estudos de monitorização.

Eu sei Gonçalo Smile mas é o que há!

Sim, é verdade, mas em minha opinião não convém levar aquelas indicações de tendência demasiado a sério. Smile
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por João Tomás em Qui Maio 25, 2017 5:06 am

Gonçalo Elias escreveu:Sim, é verdade, mas em minha opinião não convém levar aquelas indicações de tendência demasiado a sério. Smile

Eu não levo muito a sério mas é a única referência que posso usar para o que disse x) vamos ver como serão os próximos anos mas parece que neste a espécie está a usar locais que não era costume (pelo menos nos últimos anos).
avatar
João Tomás

Número de Mensagens : 2439
Idade : 27
Local : Batalha
Data de inscrição : 26/12/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 5:54 am

Ah, ok, é que quando escreveste isto

João Tomás escreveu:Embora saiba que não se encontra em expansão

pareceu-me que estavas a dar isso como facto assente Smile

Vamos ser pragmáticos: em Portugal, tanto para essa espécie, como para a quase totalidade dos passeriformes, não há estudos, não há dados e portanto não é possível extrair tendências e tudo o que se diga sobre expansões e regressões é especulativo e subjectivo.

Há excepções, e essas excepções dizem respeito a espécies que tiveram expansões brutais e cujas populações duplicaram ou triplicaram no espaço de poucos anos. É o caso, por exemplo, da andorinha-dáurica ou do pardal-espanhol. Mas são excepções e mesmo nesses casos não há números que permitam quantificar a dimensão da expansão.

Para o resto das espécies não há dados, o que é pena.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por PNicolau em Qui Maio 25, 2017 6:30 am

Bom, para as espécies mais comuns eu penso que em anos recentes já começa a haver dados no eBird.
avatar
PNicolau

Número de Mensagens : 4870
Idade : 23
Local : Lisboa
Data de inscrição : 28/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 6:32 am

PNicolau escreveu:Bom, para as espécies mais comuns eu penso que em anos recentes já começa a haver dados no eBird.

E como é que extrais tendências a partir dos dados do ebird?
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por PNicolau em Qui Maio 25, 2017 10:32 am

Reporting rate.
avatar
PNicolau

Número de Mensagens : 4870
Idade : 23
Local : Lisboa
Data de inscrição : 28/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 11:09 am

PNicolau escreveu:Reporting rate.

Não sendo dados recolhidos de forma sistematizada, as tendências que daí resultarem são um bocado "manhosas".
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por PNicolau em Qui Maio 25, 2017 12:58 pm

Gonçalo Elias escreveu:
PNicolau escreveu:Reporting rate.

Não sendo dados recolhidos de forma sistematizada, as tendências que daí resultarem são um bocado "manhosas".
Manhosas em que sentido?
avatar
PNicolau

Número de Mensagens : 4870
Idade : 23
Local : Lisboa
Data de inscrição : 28/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 2:30 pm

Manhosas no sentido de enviesadas.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por PNicolau em Qui Maio 25, 2017 2:48 pm

Gonçalo Elias escreveu:Manhosas no sentido de enviesadas.
Mas como achas que seriam enviesadas? Dá um exemplo de como a taxa de report de uma espécie como um melro pode ser enviesada.
Considerando listas completas somente.
avatar
PNicolau

Número de Mensagens : 4870
Idade : 23
Local : Lisboa
Data de inscrição : 28/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Qui Maio 25, 2017 4:15 pm

Sem problemas.

Considera o seguinte: num determinado ano, um observador numa cidade qualquer do país, quiçá movido pela perspectiva de ter muitas listas completas porque isso pode dar acesso a um determinado prémio (seja um par de binóculos de qualidade superior ou a participação gratuita numa pelágica), resolve começar a fazer imensas contagens estacionárias, tipo de 10 minutos cada, no jardim do seu bairro. Porventura com várias listas por dia. O melro é uma espécie frequente no local e a taxa de reporte da espécie nesse local aproxima-se dos 100%. As visitas desse observador representam 50% do total de listas completas do concelho e 10% do total do distrito. Os valores são suficientemente relevantes para provocar uma variação significativa relativamente ao ano anterior, sugerindo a existência de uma tendência que não está lá e que reflecte unicamente uma variação anormal no esforço de amostragem, que conduz a uma sobre-representatividade dessa espécie e a conclusões erróneas sobre a tendência populacional.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por João Tomás em Qui Maio 25, 2017 4:43 pm

Gonçalo Elias escreveu:pareceu-me que estavas a dar isso como facto assente Smile

Sim, eu expressei-me mal. Deveria ter dito que não sei qual é a tendência da espécie Smile nem eu nem ninguém!
avatar
João Tomás

Número de Mensagens : 2439
Idade : 27
Local : Batalha
Data de inscrição : 26/12/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por PNicolau em Qui Maio 25, 2017 5:16 pm

Gonçalo Elias escreveu:Sem problemas.

Considera o seguinte: num determinado ano, um observador numa cidade qualquer do país, quiçá movido pela perspectiva de ter muitas listas completas porque isso pode dar acesso a um determinado prémio (seja um par de binóculos de qualidade superior ou a participação gratuita numa pelágica), resolve começar a fazer imensas contagens estacionárias, tipo de 10 minutos cada, no jardim do seu bairro. Porventura com várias listas por dia. O melro é uma espécie frequente no local e a taxa de reporte da espécie nesse local aproxima-se dos 100%. As visitas desse observador representam 50% do total de listas completas do concelho e 10% do total do distrito. Os valores são suficientemente relevantes para provocar uma variação significativa relativamente ao ano anterior, sugerindo a existência de uma tendência que não está lá e que reflecte unicamente uma variação anormal no esforço de amostragem, que conduz a uma sobre-representatividade dessa espécie e a conclusões erróneas sobre a tendência populacional.
Ok, há várias maneiras de contornar isso.
Vamos começar com a óbvia, remover esse observador da análise. Esse observador evidentemente constitui um outlier e as suas listas possivelmente até podem ser removidas com razão se houver suspeita de que não são realmente completas.
Podemos fazer também uma filtragem. Digamos que na tua análise não usas contagens estacionárias, não usas contagens com menos de x e mais do que y minutos, etc etc
Podes fazer uma amostragem estratificada, em que recolhes um número aproximadamente igual de listas por concelho, aleatoriamente, que contribuirão para a taxa total. Assim o observador pesa muito no concelho ou freguesia onde está, mas não no resto.

Ou seja, de uma forma muito simples, podes minimizar o impacto do observador na tua análise.

Mas se fores fazer uma análise mais sofisticada, monitorizando a probabilidade de ocorrência de uma espécie ao longo do tempo no espaço, ou mesmo a densidade se considerares contagens, esse observador terá impacto reduzido e altamente local. Mas dará uma preciosa ajuda na monitorização da população de melros na sua zona. Em todo o caso, nestes modelos podes sempre introduzir o efeito do observador o que terá em conta o impacto individual de cada observador. Imaginemos, um observador simplesmente não reporta melros por algum motivo.. Isso dá para incorporar no modelo deste que tenhas uma amostra suficiente com uma grande variadade de observadores.

Mas a situação que descreves é algo implausível, pois apesar de alguns observadores fazerem isso, eles têm um comportamento semelhante ao longo do tempo. E com cada vez mais gente no eBird, menor o será o impacto.
avatar
PNicolau

Número de Mensagens : 4870
Idade : 23
Local : Lisboa
Data de inscrição : 28/12/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Paulo Lemos em Qui Maio 25, 2017 11:25 pm

Gilberto Pinelas escreveu:Falo, sobretudo, na região de Cascais e Sintra.

Se conhecermos o seu canto, a sua silhueta em voo, os seus hábitos e preferências, bastará “perdermos” algum tempo e, com paciência, elas levam-nos aos seus ninhos. Aliás, vou contar-lhe um episódio que de certa forma demonstra o que lhe digo: Em Maio de 2015 na companhia de uma fervorosa adepta do birdwatching (grande compincha…), desloquei-me a Barrancos com o intuito de observarmos algumas aves. Entre papa-figos e outros tantos, a rola-comum era um dos objetivos, visto ela nunca ter conseguido fotografa-la… Para isso bastou localizarmos o seu canto, observarmos algumas das suas curtas deslocações e, num ápice, estavam duas delas centradas na mira da “canon”. Facílimo!

Em relação á altura dos ninhos, parece-me ser consensual que, regra geral, não é uma ave que tenha preferência/hábito em construir o seu ninho em grandes árvores, mesmo que as copas em termos de densidade sejam apetitosas. No entanto, já localizei um num grande cedro e outro numa grande azinheira de uma defesa. Em tojeiras e em silvados, especificamente, confesso que nunca vi um ninho de tal ave.

E haverá matos nestas zonas? São zonas "silvestres"? Não me parece de todo ser a situação mais comum que observo (dou com centenas de ninhos quando "furo" pelos matos, isto há anos), mas talvez nidificação em árvores seja a situação mais fácil de encontrar, seguindo as rolas? E tendo em conta a vulnerabilidade dos ninhos, mais acessíveis a certos predadores como gaios e pegas (os piores predadores de ninhos).. hum... Ou haverá muitos gatos nessas zonas e as rolas ocupam mais a árvores?

Longe de sugerir que as confunde, a situação que descreve é vulgar na rola turca. Esta também em edifícios (até dentro), pilhas de madeira, etc.

Lembro-me de ver ninhos de rola brava em árvores, nas florestas naturalmente limpas (tipo climax, carvalhos por ex.), nos ramos laterais baixos e muito ramificados, ou quando árvores se tocam por exemplo e ramos se cruzam, aumentando a densidade de ramos em estratos baixos... mas isso equivale ao mesmo tipo de ramadas que encontramos em silvados, giestas e tojos por exemplo (ramos cruzados por toda a parte e que escondem um ninho visível). Bem... a raridade deste tipo de floresta, sem os ramos baixos cortados, especialmente perto da civilização, é outros problema semelhante ao das limpezas de matos?!


Última edição por Paulo Lemos em Sex Maio 26, 2017 12:35 am, editado 2 vez(es)
avatar
Paulo Lemos

Número de Mensagens : 1359
Local : Caldas da Rainha
Data de inscrição : 29/01/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Paulo Lemos em Qui Maio 25, 2017 11:46 pm

Paulo Lemos escreveu:
João Tomás escreveu:Embora saiba que não se encontra em expansão, dá-me a sensação (esta primavera) de haver trigueirões onde não costumava ver. Falo apenas do concelho da Batalha! Outro pormenor que poderá ser importante para esta "expansão" serão os pequenos campos de trigo que se plantaram este ano e que não costumava ver nos outros anos. Alguém tem a mesma percepção?

Eu costumo notar flutuações nessa espécie ao longo de anos, ou até de ano para ano (ou talvez alternância de territórios?). Não consigo perceber bem...
Uma outra que tenho "notado mais" (ou mais abundante e dispersa) nos últimos 5 anos, é a Cotovia-arbórea na minha região. Mas houve uma época em que mal se (ou)viam como por exemplo há uns 15 anos, mais ou menos.

Esqueci-me de dizer que, pelo menos na minha zona, esta espécie parece estar num "pico" de abundância (ou de conspicuidade?).
Até na cidade há trigueirões.

Uma possibilidade:
Desde há cerca de meia dúzia de anos, pelo menos no Oeste, a "seca" superficial não tem sido problema tão grave. Mais humidade nos campos, e a melhoria de um certo tipo de vegetação herbácea que dela beneficia, pelo menos até fins de Maio (e certos insectos também), beneficia também esta espécie. Pequenos campos estão agora colonizados por ela (como se coubessem mais aves em menos espaço, e ocupassem também pequenos espaços que sem boas condições nunca seriam suficiente.

Não sei é se há mais trigueirões de facto (se a população cresceu), ou se muitos de mudaram para cá, ou há deles mais dispostos a criar e a cantar e, assim, "contam-se" assim mais facilmente.

Mas... insectívoras como a polyglotta e o Rouxinol deviam ter lucrado também dos efeitos dessa humidade, mas não vejo que tenham qualquer deles aumentado. Não vejo mais destas aves... pelo contrário, mas parece haver muitos bons territórios não ocupados. Bem... talvez não sejam aves comparáveis, e o trigueirão não depende tanto de humidade "directa" e sim dos seus efeitos, sazonalmente, no habitat...
avatar
Paulo Lemos

Número de Mensagens : 1359
Local : Caldas da Rainha
Data de inscrição : 29/01/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Sex Maio 26, 2017 1:57 am

PNicolau escreveu:Vamos começar com a óbvia, remover esse observador da análise. Esse observador evidentemente constitui um outlier e as suas listas possivelmente até podem ser removidas com razão se houver suspeita de que não são realmente completas.
Podemos fazer também uma filtragem. Digamos que na tua análise não usas contagens estacionárias, não usas contagens com menos de x e mais do que y minutos, etc etc
Podes fazer uma amostragem estratificada, em que recolhes um número aproximadamente igual de listas por concelho, aleatoriamente, que contribuirão para a taxa total. Assim o observador pesa muito no concelho ou freguesia onde está, mas não no resto.

Ou seja, de uma forma muito simples, podes minimizar o impacto do observador na tua análise.

Mas se fores fazer uma análise mais sofisticada, monitorizando a probabilidade de ocorrência de uma espécie ao longo do tempo no espaço, ou mesmo a densidade se considerares contagens, esse observador terá impacto reduzido e altamente local. Mas dará uma preciosa ajuda na monitorização da população de melros na sua zona. Em todo o caso, nestes modelos podes sempre introduzir o efeito do observador o que terá em conta o impacto individual de cada observador. Imaginemos, um observador simplesmente não reporta melros por algum motivo.. Isso dá para incorporar no modelo deste que tenhas uma amostra suficiente com uma grande variadade de observadores.

Mas a situação que descreves é algo implausível, pois apesar de alguns observadores fazerem isso, eles têm um comportamento semelhante ao longo do tempo. E com cada vez mais gente no eBird, menor o será o impacto.

Reconheço que o exemplo que eu dei era um pouco esticado (o melro também não será o melhor exemplo para este efeito, por ser uma espécie muito abundante e quase omnipresente), mas independentemente da espécie vou tentar descrever a situação numa perspectiva mais geral.

Se bem entendo a tua lógica, se a amostra for suficientemente robusta as distorções tendem a desaparecer. Isto é, com muitos utilizadores a coisa tenderá a "alisar". É uma espécie de "lei dos grandes números" aplicada ao ebird, é isso?

A minha lógica é a de que os enviesamentos de amostra têm impacto não desprezável nos resultados. Repara que basta haver procura direccionada a determinadas espécies para os resultados dessa mesma espécie serem fortemente afectados. Por exemplo, se alguém fizer muitas saídas à noite com pontos estacionários de escuta passiva ou activa (pode ser no âmbito do atlas ou de outra coisa qualquer), a frequência de nocturnas vai imediatamente aumentar em resultado deste conjunto de visitas. Podemos arranjar n exemplos deste tipo.

Remover um ou mais observadores da análise será uma boa abordagem? Será que os outros observadores não são, eles mesmos, fonte de enviesamento também?

Eu creio que a abordagem ideal seria realmente ter amostras padronizadas (é para isso que serve o CAC e outros programas similares) e creio que o ebird não se adequa muito a isso. Mas posso estar errado. Gostaria de analisar os dados actuais para ver se estes efeitos são significativos. Infelizmente, de momento os gráficos de frequência do ebird estão indisponíveis, por isso não dá para vermos como tem evoluído a frequência de observação das várias espécies.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por pedro121 em Sex Maio 26, 2017 2:56 am

Gonçalo Elias escreveu:
Infelizmente, de momento os gráficos de frequência do ebird estão indisponíveis, por isso não dá para vermos como tem evoluído a frequência de observação das várias espécies.

Eu consigo aceder.
avatar
pedro121

Número de Mensagens : 9925
Idade : 42
Local : Obidos
Data de inscrição : 14/02/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Sex Maio 26, 2017 7:11 am

pedro121 escreveu:
Gonçalo Elias escreveu:
Infelizmente, de momento os gráficos de frequência do ebird estão indisponíveis, por isso não dá para vermos como tem evoluído a frequência de observação das várias espécies.

Eu consigo aceder.

Como fazes?
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por pedro121 em Sex Maio 26, 2017 8:53 am

Gonçalo Elias escreveu:

Como fazes?

Da maneira normal, ebird- explorar dados- graficos de barras-- depois é escolher a especie
avatar
pedro121

Número de Mensagens : 9925
Idade : 42
Local : Obidos
Data de inscrição : 14/02/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Gonçalo Elias em Sex Maio 26, 2017 9:07 am

pedro121 escreveu:
Gonçalo Elias escreveu:

Como fazes?

Da maneira normal, ebird- explorar dados- graficos de barras-- depois é escolher a especie

Obrigado. Já encontrei.
É que anteriormente tinha um link directo para os gráficos, que já não existe.
avatar
Gonçalo Elias

Número de Mensagens : 17732
Idade : 49
Local : Sotavento
Data de inscrição : 14/06/2007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Paulo Lemos em Qui Jun 08, 2017 12:22 pm

Acerca das ninhadas de açor perdidas, uma delas à conta dos esquilos, encontrei, por acaso, este vídeo no youtube.
https://www.youtube.com/watch?v=ydGVz7rUnZ4
(provavelmente merecia abrir outro tópico)

Parece o mesmo "filme" observado por mim há tempos, ao vivo. Um grupo de árvores cheio de esquilos atrevidos (>6, adultos), restos de ovos no chão, um esquilo residente no ninho de açor (e talvez com filhotes) e o casal de açores ainda em acasalamento, que afinal não produziu pela segunda vez, em qualquer dos seus dois ninhos disponíveis (distam duas dezenas de metros). O cortejamento desta espécie inicia-se no Outono, e parece que quando a Primavera avança, "arrefece". Seria interessante ter confirmado uma postura alternativa, mas não ocorreu afinal e o casal de facto "arrefeceu" por este ano.

Outra observação interessante, foi há umas noites atrás, quando durante pensei ter assustado uma rola do ninho, entre um pinheiro e um carrasco baixo... e afinal era um ninho de esquilos. Para confirmar o que era, toquei no ninho e depois numas das crias e esta gritou. Voltou então a mãe esquila, do topo do pinheiro, e atacou-me compulsivamente! Impossível aproximar-me da árvore sem que me saltasse para cima, e isto sob fraca luz de lanterna ou em relativa escuridão. Bicho destemido, quando quer!

O outro casal de açor que perdeu a ninhada de forma inesperada, quase de certeza à conta de um bufo real (há um belo poiso de eucalipto mesmo acima do ninho, situado em pinheiro baixo, a jeito de uma caçada fácil e a espécie está presente no local) ou talvez quezílias nocturnas com uma coruja do mato agressiva, pela posse do ninho (por cá, sem duvida que as corujas nidificam preferencialmente em ninhos grandes em árvores e controlam os disponíveis/potenciais). Desde que sigo umas corujas desde há semanas, vejo isto totalmente possível.

Os açores adultos não têm os mesmos hábitos dos jovens, que poderão no Outono tornar-se mais perigosas para presas menos preferenciais, trabalhosas e perigosas (esquilos e corujas). E, à semelhança do que está documentado para algumas outras rapinas, parece que os nossos açores adultos mantêm uma relação amigável para com as presas nas imediações do ninho, inclusive presas preferenciais como pombos e rolas. Provavelmente só válido para animais que já conhecem e consequentemente ignoram... e não para estranhos...
avatar
Paulo Lemos

Número de Mensagens : 1359
Local : Caldas da Rainha
Data de inscrição : 29/01/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Espécies que estão a aumentar / regredir em Portugal

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 6 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum